Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for the ‘PNL’ Category

bannersophia

(clicar na imagem para aceder)

 

Fontes: bibliobeiriz | pnl2027

Anúncios

Read Full Post »

cnl

Concurso Nacional de Leitura | 13.ª edição – Fase Escolar 2019
Afonso de Paiva com participação no 1º, 2º e 3º ciclos

O objetivo central do Concurso Nacional de Leitura (CNL) é estimular o gosto e os hábitos de leitura e melhorar a compreensão leitora. A iniciativa tem como destinatários alunos dos 1.º,2.º, 3.º ciclos do ensino básico e alunos do ensino secundário, cabendo ao Plano Nacional de Leitura 2027 (PNL2027) a iniciativa e o desenvolvimento do CNL, ao longo de quatro fases consecutivas:

A fase escolar engloba as provas nas escolas/ agrupamentos, em trabalho colaborativo e articulado entre docentes do 1º ciclo e de português dos 2º e 3º ciclos e bibliotecas escolares. No agrupamento Afonso de Paiva, a prova escolar decorrerá no próximo dia 12 de dezembro. As obras selecionadas para esta primeira fase são:
1º ciclo – “A caixa de saudades” de Rosário Alçada Araújo
2º ciclo – “O dragão” de Luísa Ducla Soares e “Ali Babá e os quarenta ladrões” com adaptação de António Pescada, 5º e 6º ano respetivamente
3º ciclo – “Dentes de Rato” de Agustina Bessa-Luís, “mar me quer” de Mia Couto e “O velho que lia romances de amor” de Luís Sepúlveda
Desta fase são apurados 2 finalistas por ciclo que irão representar o agrupamento na fase municipal, a decorrer entre 11 de janeiro e 25 de fevereiro de 2019, na biblioteca municipal de Castelo Branco.

 

capas.jpg

Read Full Post »

cartaz.diadabibliotecaescolar.22.10.2018

Mensagem da Dra. Teresa Calçada

(Comissária do Plano Nacional de Leitura 2027)

 

O Plano Nacional de Leitura 2027 felicita as Bibliotecas Escolares portuguesas pelo seu trabalho diário de formação de leitores.

A biblioteca escolar destaca-se pela sua centralidade física e simbólica, constitui-se como um espaço físico e digital aberto, onde todos são bem-vindos, incrementando a ideia de uma cultura de leitura e escrita nas escolas.

Aprender a ler e ler para aprender são processos fundadores indissociáveis da ideia de educação. É necessário que na escola se leia de todas as maneiras, de forma autónoma e orientada, individualmente, a par e em grupo, em voz alta e silenciosamente, de forma extensiva e intensiva, sempre e em todo o lado, para aprender a manejar a informação de forma ética e crítica, estruturar o conhecimento, melhorar a aprendizagem e aumentar o sucesso educativo.

Com o objetivo de dar resposta a esta necessidade, o Plano Nacional de Leitura e as bibliotecas escolares juntam esforços para, colaborativamente, promoverem:

– a inclusão de períodos diários para a prática individual da leitura pelos alunos, com a iniciativa “10 minutos a ler”;

– a gestão e o empréstimo às turmas de caixas com conjuntos de livros iguais para serem lidos sob a orientação do professor;

– a celebração de contratos de leitura autónoma com os alunos, tendo em conta as recomendações e as sugestões do Plano Nacional de Leitura 2027;

– o empréstimo e a circulação de livros entre a escola e a casa dos alunos para a leitura em familia;

– concursos, projetos, iniciativas várias que contribuem para fazer leitores.

  1. É essencial que existam espaços, tempos e oportunidades nas escolas para estimular o prazer de ler. A aquisição de hábitos de leitura e do prazer de ler exige uma prática regular da leitura, o envolvimento emocional e a motivação pessoal dos leitores através de um exercício livre e voluntário. O acesso facilitado a um espaço de liberdade, de leitura independente, de iniciativas diversificadas de caráter informal concorre para estimular o prazer de ler e formar leitores para a vida. Sendo também um espaço para brincar e aprender de forma recreativa, a biblioteca escolar desenvolve, através dessa diversão em grupo, as capacidades intelectuais, linguísticas e socioafetivas dos alunos.
  2. Hoje não basta saber ler. É necessário ler muito bem, independentemente do que lemos, das razões por que lemos, das linguagens, dos textos, dos meios, dos suportes e dos lugares físicos ou virtuais em que nos encontramos, e para isso é exigida uma competência muito sólida em leitura e escrita. Esta exigência de aquisição de uma nova competência leitora e de novas literacias implica repensar os ambientes e os modos de aprendizagem atuais. As bibliotecas escolares têm, neste contexto, um papel catalisador.
  3. A biblioteca escolar é um espaço de leitura funcional e informativa, autónoma, onde se descobre e se sustenta o gosto pelo saber, onde é possível ler, investigar e usar de forma livre e com segurança todo o tipo de recursos, impressos e digitais, independentemente do seu formato e da forma de acesso, presencial ouonline.
  4. Como não só de literacia verbal se faz hoje a leitura, é também possível na biblioteca desenvolver muitas outras formas multissensoriais que se combinam cada vez mais com a palavra escrita e oral, dando lugar a uma nova multialfabetização ou transalfabetização que também a biblioteca deve acolher.
  5. A escrita hoje, induzida por novos ambientes digitais e dispositivos móveis, faz-se maioritariamente em ecrãs, associando-se cada vez mais à oralidade e a outras linguagens e formas gráficas e visuais de comunicar, através do Facebook, do Youtube, do Instagram e de outras redes sociais. Por exemplo, como estratégia de motivação e pretexto para o exercício criativo da leitura e da escrita, pode recorrer-se às práticas correntes de escrita dos jovens em plataformas deFanfic, grupos de leitura e escrita no GoodReads e Wattpad, produção debooktrailers, aplicações de storytelling, etc.
  6. Hoje em dia, não só consumimos mas também produzimos informação. As bibliotecas são um espaço de produção e comunicação da imagem e da palavra, onde é possível aprender a trabalhar com tecnologias, plataformas e ferramentas digitais para a criação, a representação e a partilha da informação e do saber, independentemente da sua natureza, suporte ou formato.
  7. A leitura é uma atividade social e as bibliotecas, um espaço público comunitário de encontro, empatia e inclusão, onde é possível socializarmo-nos e abrirmo-nos a outros olhares, realidades e modos de viver, ler e sentir.
  8. As bibliotecas escolares são, igualmente, um espaço performativo de fruição estética e expressão cultural, onde se pode participar em atividades festivas, eventos artísticos e experiências vivas de leitura explorando a dimensão ostensiva, cénica e pragmática da leitura e dos textos

Aos professores bibliotecários, aos coordenadores interconcelhios, aos docentes e a todos aqueles que, todos os dias, constroem leitores nas e com as bibliotecas escolares, uma saudação especial no Dia das Bibliotecas Escolares.

Read Full Post »

No passado dia 11 de maio a Casa da Cultura de Oleiros acolheu a Fase Intermunicipal da 12ª edição do Concurso Nacional de Leitura (CNL), animadamente conduzida pelo conhecido e muito apreciado narrador, contador de histórias e humorista Jorge Serafim, onde estiveram presentes os alunos apurados do 1º, 2º, 3º ciclo e do Ensino Secundário dos Agrupamentos de Escolas albicastrenses. Os alunos participantes realizaram uma prova escrita a partir de obras previamente selecionadas pelo júri desta fase, designadamente: “A Lenda do Viajante que Não Podia Parar” de Concha López Narváez” (1º ciclo); ” A história do Senhor Sommer” de Patrick Süskind (2º ciclo); “A Ordem do Poço do Inferno” de Nuno Matos Valente (3º ciclo) e “A Viagem do Elefante” de José Saramago (Ensino Secundário), seguindo-se uma leitura expressiva em voz alta de um poema previamente escolhido e uma apresentação oral da obra, com argumentos muito eloquentes e convincentes por parte de todos os participantes, que demonstraram enquanto leitores confiantes e entusiasmados, as razões pelas quais tudo muda quando lemos e que a prática literária requer um ingrediente indispensável: o prazer. A tarde foi ainda marcada com a presença de uns “renascidos” escritores portugueses – Luís Vaz de Camões, Fernando Pessoa, Eça de Queirós, Gil Vicente – que encantaram miúdos e graúdos com as suas rábulas, em leituras performativas pelas ruas da vila.

Ao júri, composto por Telma Veríssimo (Casa da Cultura de Oleiros); Nuno Matos Valente (Escritor) e Sílvia Ferreira (Pé de Pano – Projectos Culturais) coube a difícil tarefa de selecionar um vencedor por cada categoria (nível de ensino) e de entre os alunos apurados que irão representar a CIM (Comunidade Intermunicipal da Beira Baixa) na Fase Final desta edição do CNL, a decorrer em junho, estão dois alunos do Agrupamento de Escolas Afonso de Paiva: o aluno Diogo Carrola do 9º2 que ficou em terceiro lugar, sendo suplente para a fase nacional na categoria do 3º ciclo e a aluna Maria Inês Roque do 6º2 com o primeiro lugar na categoria do 2º ciclo, sendo finalista para a fase nacional. Estão ambos de parabéns pela belíssima participação nesta fase e pelos magníficos resultados obtidos! Os alunos em 1º, 2º e 3º lugar, nas 4 categorias, receberam um Certificado de Participação e, respetivamente, um tablet, um gaming board e um power bank, acompanhados de alguns brindes, ofertas da Câmara Municipal de Oleiros.

 

“Esta foi mais uma grande festa dos livros e dos leitores, numa demonstração da leitura enquanto atividade prazerosa. A cada novo livro, uma nova porta se abre e um livro leva a outro, e novos caminhos, novas ideias e novos mundos se abrem”, refere Carla Nunes, professora bibliotecária do Agrupamento de Escolas Afonso de Paiva, acrescentando que “E isso significa, na sua forma mais simples, que cabe aos professores e mediadores encontrar livros de que eles gostem, dar-lhes acesso a esses livros e deixar que eles os leiam. E haverá melhor lugar para que elas leiam do que as nossas bibliotecas?”

Read Full Post »

No dia 18 de abril a Biblioteca Municipal de Castelo Branco acolheu a Fase Municipal da 12ª edição do Concurso Nacional de Leitura. Participaram aproximadamente 4 dezenas de alunos do 1º, 2º, 3º ciclo e do Ensino Secundário dos Agrupamentos de Escolas do concelho de Castelo Branco. Os alunos participantes realizaram uma prova escrita seguida de uma prova oral, a partir de obras previamente selecionadas pelo júri, designadamente: “O soldadinho de chumbo”, de Hans Christian Andersen (1º ciclo); “O livro que falava com o vento e outros contos”, de José Jorge Letria (2º ciclo); “O caso do beco das sardinheiras”, de Mário de Carvalho (3º ciclo) e “O velho que lia romances de amor”, de Luís Sepúlveda (Ensino Secundário).

Ao júri, composto por Cláudia Cravo Jorge (Biblioteca Municipal); Pedro Rafael Gomes (coordenador interconcelhia da Rede de Bibliotecas Escolares) e Margarida Morgado (Professora na Escola Superior de Educação de Castelo Branco) coube a difícil tarefa de selecionar um vencedor por cada categoria (nível de ensino). De entre os alunos apurados que irão representar o município de Castelo Branco na Fase Intermunicipal que se realizará a 11 de maio na Biblioteca Municipal de Oleiros, o aluno Diogo Carrola do 9º2 do Agrupamento de Escolas Afonso de Paiva é o vencedor na categoria do 3º ciclo, cabendo ainda à aluna Maria Inês Roque do 6º2 o lugar de suplente na categoria do 2º ciclo.

CNL.18.04.2018

Todos os participantes receberam brindes e um Certificado de Participação e os vencedores um Diploma e um cheque vale em livros na Livraria A Mar Arte. A complementar esta iniciativa e num momento de narração de histórias esteve presente a sempre luminosa contadora de histórias Clara Haddad que encantou miúdos e graúdos.

A professora bibliotecária Carla Nunes destaca mais uma vez “a relevância deste concurso, este ano e pela primeira vez englobando todos os níveis de ensino, reforçando o propósito de dar a esta celebração da leitura e da expressão um caráter mais universal e significativo, demonstrando, em imagens e momentos de que são feitos estes concursos, o verdadeiro prazer de ler”, parabenizando expressivamente todos os participantes.

Aqui ficam alguns momentos:

Read Full Post »

FB_IMG_1524000882401

Read Full Post »

Chegámos ao último dia desta Semana da Leitura do Agrupamento de Escolas Afonso de Paiva e no Programa para hoje temos um convidado também ele especial, que encerra de forma esplendorosa estes momentos vividos ao som das leituras e na companhia dos livros e dos leitores.

As bibliotecas escolares Afonso de Paiva convidaram o amigo, professor, escritor e contador de histórias Carlos Alberto Silva, desempenhando atualmente funções de professor bibliotecário no Agrupamento de Escolas de Porto de Mós.

cartaz.CALB

Durante a manhã do dia de hoje, 23 de março, nos espaços da biblioteca S. Tiago e auditório Afonso de Paiva, os alunos do 1º ciclo das escolas básicas Castelo, MIna, Salgueiro do Campo e turmas de 1º e 2º anos da EB S. Tiago, assim como os alunos das UEE de Afonso de Paiva e S. Tiago e os alunos do Clube de Leitur@s, vão poder assistir à atividade “contos sobre rodas, um projeto de divulgação do «kamishibai», uma técnica japonesa de contar histórias. Este espetáculo de narração de contos japoneses e portugueses, com cerca de uma hora de duração, vai certamente fazer as delícias de miúdos e graúdos! O «kamishibai» é hoje reconhecido como um valioso recurso pedagógico, permitindo desenvolver competências várias nos domínios da escrita, da expressão plástica / gráfica e da oralidade.

logo_contos_rodas

 

Relembramos aqui, que ao longo desta semana da leitura houve ainda lugar a muitas outras atividades nos diferentes espaços e unidades do agrupamento, constantes do Programa. A saber: exposições bibliográficas, instalações temáticas e feiras do livro (usado e de autor) nas bibliotecas escolares, leituras cinematográficas (projeção de livros em filmes), projeções de contos e histórias, bibliofilmes e ainda a apresentação oficial do Mapa de Escritores Albicastrenses”, o mais recente trabalho realizado pela professora bibliotecária Carla Nunes, com recurso à página escritores.online e à aplicação Google Maps.

A equipa das bibliotecas escolares agradece a TODOS por mais uma magnificente, brilhante, admirável, notável, singular, grandiosa e deliciosa SEMANA DA LEITURA! Foi bom, mesmo MUITO BOM!

 

 

Escrevendo ou lendo nos unimos para além do tempo e do espaço, e os limitados braços se põem a abraçar o mundo; a riqueza de outros nos enriquece a nós. Leia.

(Agostinho Silva)

 

 

 

Read Full Post »

Older Posts »

Universo Abierto

Blog de la biblioteca de Traducción y Documentación de la Universidad de Salamanca

MixLit

O DJ da literatura

abiblioterapeuta.wordpress.com/

A Biblioterapeuta: porque os livros curam.

Alerta Premika

um (re)encontro com o mundo dos livros...

Hafuboti

little bits of library goodness

Educação para a Sexualidade

Recursos para Jardim de Infância e Ensino Básico

TRANSMAGINAR

um (re)encontro com o mundo dos livros...

Cultura LIJ / ISSN 2545-6849-10

Revista de Cultura y Literatura Infantil y Juvenil - ISSN 2545-6849-10 Marzo 2018

Literacia de Informação

Da Informação ao conhecimento com a biblioteca escolar

Hipermediaciones

Conversaciones sobre la comunicación digital interactiva

Amora negra

Página do escritor e contador de histórias Carlos Alberto Silva

A maioria das pessoas que caminhem atrás de mim serão crianças, por isso manterei os passos curtos." Hans Christian Andersen

%d bloggers like this: